Segunda-feira
01 de Junho de 2020 - 

Controle de Processos

Insira seu usuário e senha para acesso ao software jurídico
Usuário
Senha

Notícias

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 5,43 5,43
EURO 6,03 6,03
LIBRA ES ... 6,68 6,69
PESO (ARG) 0,08 0,08
PESO (URU) 0,13 0,13

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . . . . .
S&P 500 0,31% . . . . . . .
Dow Jone ... % . . . . . . .
NASDAQ 0,02% . . . . . . .

Previsão do tempo

Hoje - Campinas, SP

Máx
25ºC
Min
10ºC
Parcialmente Nublado

Terça-feira - Campinas, SP

Máx
21ºC
Min
13ºC
Poss. de Panc. de Ch

Quarta-feira - Campinas, SP

Máx
24ºC
Min
12ºC
Parcialmente Nublado

Quinta-feira - Campinas, SP

Máx
25ºC
Min
15ºC
Parcialmente Nublado

Justiça nega pedido de propriedade intelectual contra microempreendedor

TJSP confere segurança jurídica à economia durante pandemia.   A 1ª Câmara Reservada de Direito Empresarial do Tribunal de Justiça de São Paulo manteve sentença que julgou improcedente ação de propriedade intelectual movida por restaurante de São Paulo. A empresa alegava violação de registro de marca e concorrência desleal por parte de estabelecimento localizado em Belo Horizonte.  De acordo com os autos, a apelante afirma haver semelhança entre o nome de sua marca – registrada no Instituto Nacional da Propriedade Industrial e na Junta Comercial do Estado de São Paulo em 1981 – e a ré, registrada em 1983 na Junta Comercial do Estado de Minas Gerais com nome homônimo a de seu dono.  Segundo o relator da apelação, desembargador Manoel de Queiroz Pereira Calças, “quando o comerciante inpidual abriu seu estabelecimento comercial, um pequeno bar, no Bairro União, em Belo Horizonte, nos anos oitenta, e inscreveu-se como tal, automaticamente passou a ter proteção para usar sua firma inpidual com exclusividade no território da unidade federativa de Minas Gerais”. O magistrado acrescentou que a Lei 12.470/2011 confere tratamento especial às pessoas físicas que exercem atividades empresariais e que o Código Civil, no artigo 1.155, considera nome empresarial a firma ou denominação adotada para o exercício da empresa. “Destaque-se ainda que a proteção do nome empresarial é automática e deriva do simples arquivamento ou inscrição do empresário na Junta Comercial”, pontuou. “Não há colisão. Terá que haver convivência e harmonia. Não há atuação parasitária. Não há conduta que maltrate a boa-fé objetiva”, concluiu. Completaram a turma julgadora os desembargadores Cesar Ciampolini e Alexandre Lazzarini. A votação foi unânime.    Apelação nº 1083229-41.2014.8.26.0100   imprensatj@tjsp.jus.br   Siga o TJSP nas redes sociais:  www.facebook.com/tjspoficial  www.twitter.com/tjspoficial  www.youtube.com/tjspoficial  www.flickr.com/tjsp_oficial  www.instagram.com/tjspoficial
31/03/2020 (00:00)
Visitas no site:  2692215
© 2020 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia