Segunda-feira
28 de Setembro de 2020 - 

Controle de Processos

Insira seu usuário e senha para acesso ao software jurídico
Usuário
Senha

Notícias

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 5,57 5,57
EURO 6,47 6,47
LIBRA ES ... 7,07 7,07
PESO (ARG) 0,07 0,07
PESO (URU) 0,13 0,13

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . . . . .
S&P 500 0,31% . . . . . . .
Dow Jone ... % . . . . . . .
NASDAQ 0,02% . . . . . . .

Previsão do tempo

Hoje - Campinas, SP

Máx
36ºC
Min
20ºC
Predomínio de

Terça-feira - Campinas, SP

Máx
28ºC
Min
20ºC
Parcialmente Nublado

Quarta-feira - Campinas, SP

Máx
37ºC
Min
19ºC
Predomínio de

Quinta-feira - Campinas, SP

Máx
37ºC
Min
23ºC
Predomínio de

Covid-19: Decreto Municipal que liberava cultos no Rio de Janeiro é suspenso pela Justiça

A 7ª Vara de Fazenda Pública do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro suspendeu os efeitos do Decreto Municipal nº 47.461/2020, do Município do Rio de Janeiro, que autorizava o funcionamento de templos religiosos de qualquer natureza para realização de cultos. Na decisão, o juiz Bruno Bodart determinou que a prefeitura fiscalize de forma efetiva o cumprimento das medidas de isolamento social, notadamente quanto ao funcionamento de cultos religiosos presenciais. Também foi estabelecido o prazo de 10 dias para o Município do Rio de Janeiro apresentar análise de impacto regulatório, nos parâmetros estabelecidos nos manuais da Casa Civil da Presidência da República e do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), sobre as medidas adotadas em âmbito municipal para enfrentamento da Covid-19. O magistrado estabeleceu multa no valor de R$ 50 mil, em nome do prefeito Marcelo Crivella, no caso de descumprimento de qualquer uma das medidas determinadas. A decisão acolheu os pedidos formulados em duas ações civis públicas ajuizadas pela Defensoria Pública e pelo Ministério Público do Estado contra as medidas adotadas pelo Município do Rio para o combate à Covid-19. Para o juiz, a decisão de liberar a realização de cultos presenciais não se baseou em nenhuma análise sobre o impacto que poderia provocar, colocando em risco a população. "A Administração Pública municipal não realizou sequer a mais básica análise de impacto regulatório para motivar a sua decisão de autorizar aglomerações de pessoas em cultos religiosos. Parece fantasioso que o benefício gerado aos fiéis pelo exercício in loco das suas práticas religiosas compense o altíssimo risco de contágio inerente a essas reuniões, ainda que adotadas as medidas mitigatórias previstas no Decreto ora impugnado.", destacou o magistrado na decisão. Bruno Bodart considerou que o risco de contaminação pelos frequentadores dos cultos religiosos poderia, até mesmo, se expandir para outras pessoas. "A atividade religiosa presencial gera inegáveis externalidades negativas: a propagação acelerada do vírus nas cerimônias religiosas certamente expandir-se-á para atingir não fiéis, afetando a saúde e a vida de terceiros." Processos nº 0102074-32.2020.8.19.0001 e 0068461-21.2020.8.19.0001  
29/05/2020 (00:00)
Visitas no site:  3110971
© 2020 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia